31 de mai de 2012

Reflexões sobre o ensino de Artes

Por: M. Biasi


As linguagens artísticas que compõem a área de artes são: as Artes Visuais, cujas manifestações são a pintura, estrutura, desenho, gravura, arquitetura, objetos de cerâmica, fotografia, televisão, moda, etc.; Música, como a expressão da arte que reflete circunstâncias da vida das pessoas e da época em que estão inseridas; Teatro, cuja importância é a expressão e a apreciação das diversas formas de teatro produzido nas culturas; Dança, cujo foco é a expressão de movimentos corporais de maneira ritmada, geralmente, ao som de musica. “A arte é a manifestação de um sujeito que se faz ver e nos mostra por sua produção, uma subjetividade, uma “pessoalidade”, todas as dimensões instaladas num único discurso visual, inter – relacionado a muitos outros” (SANTOS, 2006, p.11). São esses conceitos que devemos levar para o ensino de artes, propiciando momentos de criatividade, de construção.
No século XX, o enfoque que caracterizava o ensino de artes era o tradicional, cuja finalidade e método de ensino eram treinar a vista e a mão do aluno para a realização de desenhos. A partir de 1930, surge à escola Nova, nessa tendência o aluno era o “construtor” do saber, a quem devia oferecer todas as condições de expressão artística livre e espontânea. Por volta dos anos 60, surgiu outra pedagogia a tecnicista em que o professor pensa e age como um técnico sendo assim privilegia o produto do trabalho artístico, em detrimento do processo de sua construção. A metodologia triangular (1990) influenciou e contribuiu para a construção dos PCNs-arte: “o conjunto de conteúdos está articulada dentro do processo de ensino e aprendizagem e explecitado por intermédio de ações em três eixos – norteadores: produzir, apreciar e contextualizar” (SANTOS, 2006, p. 27). A abordagem holística, por sua vez, busca um ensino para a reflexão, seu maior intuito é discutir a fragmentação do conhecimento, resgatando os conteúdos como um todo.
O papel da arte segundo os PCNS - arte é,

Desenvolver progressivamente um percurso de criação pessoal cultivado, ou seja, alimentado pelas interações significativas que o aluno realiza com aqueles que trazem informações pertinentes para o processo de aprendizagem (…), com fontes de informação (…) e com o seu próprio percurso de criador (BRASIL, 1997, p.47).

Pensar o ensino de artes requer que o professor defina e organize os conteúdos de forma a abranger as quatro linguagens artísticas. Implica também uma avaliação cujo foco recaia no progresso dos alunos enquanto processo de ensino – aprendizagem, promovendo a autoavaliação onde todos avaliam e são avaliados.  Nesse sentido o portfólio e o projeto são ferramentas extremante significativas nas mãos do professor.
Há a necessidade de levar o aluno a refletir sobre suas produções artísticas, a fim de conhecerem seu percurso histórico, o fazer artístico, a apreciação da arte a reflexão sobre o trabalho artístico pessoal e dos colegas, em um processo de produção, fruição e reflexão.


Referências:


BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Arte. Brasília: MEC/SEF, 1997.


SANTOS, G.R.C.M. Metodologia do Ensino de Artes. Curitiba: IBPEX, 2006.



Nenhum comentário:

Postar um comentário