Notícias

Loading...

17/05/2012

O Brincar no processo educativo

Por:M.Biasi


Diariamente, no espaço escolar, os professores se deparam com o desafio de educar as crianças num contexto de constantes transformações, de pluralismo de culturas, ideias e crenças. Pensar um meio de organizar o processo educativo nessa perspectiva demanda criatividade e comprometimento do docente, além é claro de inovação da ação pedagógica. O lúdico (jogos, brincadeiras e afins) se apresenta como um recurso importantíssimo para o desenvolvimento e a aprendizagem infantil, pois propicia um aprender brincando, instigante e estimulante. O brincar desenvolve aspéctos importantes na criança, sejam eles cognitivos, emotivos, sociais ou motores. 
Segundo Fantin (2000, p. 53):

Brincando (e não só) a criança se relaciona, experimenta, investiga e amplia seus conhecimentos sobre si mesmos e sobre o mundo que esta ao seu redor. Através da brincadeira podemos saber como as crianças vêem o mundo e como gostariam que fosse, expressando a forma como pensam, organizam e entendem esse mundo. Isso acontece porque, quando brinca, a criança cria uma situação imaginaria que surge a partir do conhecimento que possui do mundo em que os adultos agem e no qual precisa aprender a viver.

Nesse sentido, o brincar pode assumir papel educativo, uma vez que, contribui para o desenvolvimento integral da criança. Ao brincar de diferentes papeis sociais (mãe, filho, pais, médico, policial, herói, princesa, etc.) a criança constrói um repertório de saber ao mesmo tempo em que interage com seus pares e realiza constantes trocas de conhecimentos. E nessas trocas as crianças ampliam seus conceitos de mundo para além da imaginação, e buscam aproximar suas experiências no brincar das reais situações as quais observam no meio em que estão inseridas. É através da brincadeira que as crianças aprendem "a cooperar com os companheiros, a obedecer as regras do jogo, a respeitar os diretiros dos outros, a acatar a autoridade, a assumir responsabilidades, a aceitar penalidades que lhes são impostas, a dar oportunidades aos demais, enfim, a viver em sociedade" (KISHIMOTO, 1993, p. 110).
Para pensar uma ação educativa significativa e que envolva o desenvolvimento das diversas habilidades cognitivas e sociais da criança, é preciso conceber o brincar como parte integrante do processo educativo, e inseri-lo nas propostas pedagógicas como metodologia de ensino - Metodologia lúdica, é prever uma ação que contemple os diversos conhecimentos atrelados aos jogos e brincadeiras, porém com objetivos que vão de encontro as reais necessidades educativas que a criança apresenta. Desse modo, o lúdico se torna uma ferramenta nas mãos do professor, além de propiciar à criança a construção de uma identidade autônoma, criativa e cooperativa. 
O papel do professor é de mediador, é ele que irá conduzir toda a ação pedagógica e as brincadeiras na sala de aula e, portanto, deve ser sensivel e acolhedor, deve ser o porto seguro das crianças, o modelo a ser seguido, tornando as atividades que desenvolve atrativas, lúdicas, criando momentos prazerosos e educativos.

Referências:                                 


FANTIN, M. No mundo da brincadeira: jogo e cultura na Educação Infantil. Florianópolis: Cidade Futura, 2000.

 KISHIMOTO, T. M.Jogos tradicionais infantis. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 1993.


Plágio é falta de ética e desrespeito ao trabalho de seu semelhante, ao citar conteúdos alheios dê crédito ao autor. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário