21 de mai de 2012

O Ensino de História

Por M. Biasi

A história é um modo pelo qual recordamos momentos ou fatos que ocorreram no passado, nesse aspecto é parecida com a memória individual. Assim somos capazes de lembrar sobre a nossa infância, por exemplo, ou mesmo fatos marcantes como o descobrimento do Brasil ou movimentos políticos como as “diretas já” que constituiu uma ação civil organizada que mudou a historia do nosso país. A história está diretamente relacionada com a memória coletiva, porém, diferente desta, “possui uma metodologia rigorosa e só aceita um fato como verdadeiro após um sério processo de investigação” (VASCONCELOS, 2007, p.30).
Ao ensinarmos história podemos levar os alunos a reviver épocas passadas e deslocar-se pelo tempo entendo como ocorreram e quais foram às razões que levaram determinada sociedade ou agente histórico a proceder daquela forma, bem como as conseqüências que tais atos produziram no presente. Dessa forma, os alunos passarão a compreender a sociedade sob diferentes aspectos: histórico, político, cultural, econômico, social e religioso.
O ensino de história trabalhado em sala de aula por muito tempo esteve atrelado a uma concepção tradicional, segundo a qual a aprendizagem equivale à memorização de informações descontextualizadas sobre o passado. Apesar de varias mudanças de paradigmas margearem a educação como um todo (história estrutural, história cultural), pouco influenciaram o ensino de história, perdurando até hoje a tendência “positiva” tradicional e mais recentemente a critica.

O conhecimento histórico, como área cientifica, tem influenciado o ensino, afetando os conteúdos e os métodos tradicionais de aprendizagem. Contudo, não tem sido estas as únicas transformações afetarem o ensino de história. As escolhas do que e como ensinar são provenientes de uma serie de fatores e não exclusivamente das mudanças historiográficas. Relacionam-se com a serie de transformações da sociedade, especialmente a expansão escolar para um publico culturalmente diversificado, com a intensa relação entre os estudantes comas informações difundidas pelos meios de comunicação, com as contribuições pedagógicas - especialmente da psicologia social e cognitiva- e com propostas pedagógicas que defendem trabalhos de natureza interdisciplinar. (BRASIL, 1997, p.32).

Atualmente, têm ocorrido mudanças significativas na educação no Brasil. Um sinal é como se entendem a história e o ensino de história na educação básica. Seu papel passou a ser levar os alunos a “compreender as semelhanças e as diferenças, as permanecias e as transformações no modo de vida social, cultural e econômico de sua localidade, no presente e no passado mediante a leitura de diferentes obras humanas” (BRASIL, 1997, p.49).
A história de hoje tem na escola uma função critica que no passado se desconhecia os livros didáticos, cada vez mais, estão em sintonia com essa nova concepção de ensino de história. Entretanto, “a mudança de enfoque só pode se dar se o professor atuar como mediador no processo de aprendizagem. Se ao contrário, o professor visar apenas “depositar” conhecimento na cabeça do aluno, não haverá avanço nesse sentido” (VASCONCELOS, 2007, p.66). Portanto, devemos enquanto professores de história dar sentido aos conteúdos aprendidos por nossos alunos.

Referências:

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: História/ Geografia. Brasília: MEC/SEF, 1997.

VASCONCELOS, J. Metodologia do Ensino de História. Curitiba: Ibpex, 2007.

Nenhum comentário:

Postar um comentário